quarta-feira, 13 de dezembro de 2017
Seja bem-vindo(a) ao site do Canil Auca Domus.
Canil Auca Domus

Aparência Geral: o Boxer é um cão de talhe médio, compacto, de figura quadrada, com ossatura robusta e de pelagem curta. A musculatura é seca, poderosamente desenvolvida, modelagem nitidamente definida. Sua movimentação é energética, poderosa e nobre. O Boxer não é rústico, pesado, muito leve, nem lhe falta substância.

Proporções Importantes:

Comprimento do tronco: a construção é de figura quadrada, isto é, a horizontal da cernelha e as duas verticais, uma tangenciando a ponta do ombro e a outra a ponta do ísquio, formando um quadrado Profundidade de peito: o peito alcança abaixo dos cotovelos, sendo a metade da altura na cernelha.
Comprimento da cana nasal: a proporção crânio-focinho é de 2:1; medidos o crânio do stop, canto medial do olho até o occipital e da ponta da trufa ao stop.

Cabeça: é a parte do Boxer que lhe confere o aspecto característico: bem proporcionada ao tronco sem parecer leve nem muito pesada. O focinho, o mais largo e poderoso possível. A estrutura da cabeça obedece à relação proporcional entre as medidas do focinho e as do crânio. Visto de qualquer ângulo, o focinho guarda uma proporção correta com o crânio, isto é, não pode parecer muito pequeno. A pele, normalmente, não apresenta rugas. Entretanto, com o movimento natural das orelhas, conforme cada posição, pode haver formação de rugas. Com origem na face dorsal da raiz do focinho, rugas naturais, levemente marcadas, descem simetricamente, pelas faces laterais.
Crânio: o crânio bem modelado, isométrico, com as faces planas, sem relevo, levemente arqueado, sem ser curto, abobadado, ou plano; moderadamente longo e o occipital moderadamente pronunciado.
Stop: nitidamente marcado, formado pelo frontal e a cana nasal. A cana nasal não deve ser encurtada, como no Buldogue, nem caída para frente. O comprimento da cana nasal é igual à metade do comprimento do crânio (relação C/F = 2:1). O frontal apresenta um sulco mediano, sutilmente profundo especialmente entre os dois olhos.
Trufa: fica um pouco mais alta em relação à raiz, larga, preta, levemente arrebitada, com narinas largas, separadas pelo fino sulco mediano da trufa.
Focinho: bem desenvolvido nas três dimensões de maneira equilibrada.Os lábios arrematam a forma do focinho. O superior é espesso, formando um acolchoado, que preenche o espaço do prognatismo entre a arcada superior e inferior e fica apoiado nos caninos inferiores.
Olhos: marrom-escuro, com a orla das pálpebras escura, de tamanho médio e inserção faceando com a superfície da pele. De expressão energética e inteligente, sem ficar com a expressão carrancuda - ameaçadora -, penetrante.
Orelhas: inserção alta, preferencialmente pequenas e espessura delgada. Em repouso, são portadas pendentes, bem rente às faces. Em atenção, voltam-se para a frente, caindo e fazendo uma dobra bem marcada. Quando operadas, são cortadas em ponta, de comprimento moderado, com o pavilhão auditivo de largura moderada e são portadas eretas.
Dentes: o Boxer é naturalmente prognata. A maxila é larga desde a raiz, mantendo essa largura, em toda a sua extensão, diminuindo muito pouco, na direção da ponta do queixo. Tanto a maxila quanto a mandíbula são muito largas na ponta do focinho. Os caninos, de bom tamanho, são o mais afastado possível. O plano anterior do focinho é, portanto, largo, quase quadrado, formando um ângulo obtuso com a linha superior do focinho. O contorno do lábio superior pousa no contorno do inferior. O lábio inferior, no terço anterior da mandíbula, curvada para cima, não pode ultrapassar muito à frente nem, tampouco, ocultar-se sob o lábio superior. O queixo projeta-se à frente do lábio superior, de maneira bem nítida, tanto de frente, quanto de perfil, sem por isso, assemelhar-se ao do Buldogue. Tanto os incisivos inferiores, quanto a língua, devem ficar ocultos, enquanto a boca estiver fechada. Os seis incisivos são bem alinhados, inclusive os incisivos pinça; entretanto, os inferiores alinham-se em reta. Os dois dentes são fortes, sadios e normalmente inseridos. A mandíbula avança em relação à maxila e assume uma forma levemente encurvada para cima.
Tronco: de construção quadrada, compacto e membros retos.
Cernelha: bem marcada.
Linha superior: reta, dorso e lombo curtos, largos e bem musculados.
Garupa: levemente inclinada, larga, com tênue, quase reto, arqueamento. O osso pélvico é longo, largo, sendo mais largo nas fêmeas.
Peito e antepeito: profundo, descendo ao nível dos cotovelos; e igual à metade da altura na cernelha. Antepeito bem desenvolvido.
Costelas: bem arqueadas, sem ser em barril, com as articulações bem anguladas para trás.
Linha inferior: descreve uma curva elegante, ligeiramente esgalgada.
Lombo: curto, compacto e rígido.
Cauda: de inserção mais para alta que baixa, amputada, portada acima da horizontal.
Membros torácicos: visto de frente, os membros anteriores devem ser retos e paralelos, com uma forte ossatura.
Ombros: com escápula longa e inclinada, amoldada ao tórax, sem ser muscularmente carregado.
Braços: longos, com uma forte ossatura, articulações firmes e o úmero fazendo um ângulo reto (90º) com a escápula.
Cotovelos: bem ajustados, trabalhando paralelos, rente ao tórax.
Antebraços: verticais, longos e fortemente musculados por musculatura seca.
Carpos: fortes, bem marcados, embora sem volume.
Metacarpos: curtos, quase verticais.
Patas: pequenas, redondas, compactas, e almofadas plantares com a sola bem resistente.
Membros pélvicos: musculatura muito forte, músculos rígidos, com relevo bem modelado.
Coxas: longas e largas. Articulações coxofemorais e dos joelhos o mais fechadas possível.
Joelho: com o exemplar em stay, deve tangenciar a vertical da ponta do ílio.
Pernas: muito musculosas.
Jarretes: fortes, bem definidos, com a ponta não voltada para cima e o ângulo próximo aos 140º.
Metatarso:curto, pouco inclinado fazendo um ângulo com o solo de 95º - 100º.
Patas: levemente mais longas que a dos anteriores, com almofadas robustas.
Movimentação: vigorosa, com muita propulsão e nobreza.
Pele: ajustada, elástica e sem rugas.

Pelagem:
Pêlo: curto, duro, brilhante e bem assentado.
Cor: fulvo (dourado) ou tigrado. Máscara excedendo os seus limites, listas tigradas muito juntas ou algumas poucas, reconhecíveis. Interferências de cores; marcas brancas indesejáveis, tais que, a cabeça seja inteira ou metade branca. Outras cores de cães cuja cor-base é invadida por mais de um terço de branco.
Dourado: apresenta-se em diversas tonalidades, indo e vindo do vermelho escuro ao amarelo claro; as tonalidades médias, o vermelho amarelado, são as mais características. A máscara preta.
Tigrado: desenha-se em linhas, de cor escura ou preta, sobre as diversas tonalidades já descritas. O contraste entre a cor das listas e a cor-base deve ser nítido. As marcas brancas não devem ser proscritas; elas podem, até mesmo, ser muito agradáveis.
Talhe: altura média na cernelha, na vertical que passa no cotovelo: machos 53 - 63 cm; fêmeas 53 - 59 cm.
Caráter: é da maior importância e ponto de maior atenção. A ligação e a fidelidade do Boxer para com seu dono e seu território, sua vigilância, sua intrépida coragem como defensor e guardião, são conhecidas há muito tempo. Dócil no meio familiar, mas desconfiado para com os estranhos; de temperamento alegre e amistoso nas brincadeiras, mas terrível quando desempenha uma missão. Sua docilidade, energia e coragem, sua mordacidade natural, a acuidade do seu olfato o tornam um cão fácil de educar e de induzir. É igualmente agradável por suas exigências mínimas, territorialidade e tradição como cão de guarda, de defesa e de serviço. De caráter franco, não reserva espaço para a falsidade ou traições, mesmo em idade avançada.

Telefone: 55 11 7894 0591